Vivemos em uma sociedade baseada em padrões e sem qualificar esse fato, apenas constatá-lo é possível perceber que muitas vezes pessoas encontram-se retidas à escolha de uma ocupação após o término da faculdade. Isso ocorre devido a um estereótipo atrelado ao curso como, por exemplo, os estudantes da área da saúde. Esses tendem a ser julgados ao tomarem iniciativas empreendedoras fora de seus estereótipos. Por exemplo, um farmacêutico inaugurando uma farmácia de manipulação seria aceitável, mas um restaurante talvez causasse estranhamento nas pessoas.

Entretanto, empreendedorismo é exatamente isso. Pessoas que pensam além. Pessoas capazes de idealizar novas maneiras de exercerem suas profissões, capazes de visualizar um novo modelo e colocá-lo em prática.

 

Empreendedorismo na área da saúde

Porém, infelizmente, de acordo com o SEBRAE, os profissionais da área da saúde normalmente são poucos empreendedores. Observa-se que eles são bem preparados tecnicamente e buscam excelência em seus estudos. Porém, possuem grandes dificuldades em tornar suas profissões em um negócio. Diante disso e de acordo com a Celiane Gonçalves, autora sobre marketing em saúde, esse seria um possível motivo para a falta de reconhecimento profissional sofrida por profissionais da saúde. Sendo assim, e levando em consideração a atual situação econômica do país, está cada vez mais difícil permanecer em um emprego durante todo o período de contribuição na vida. Portanto, torna-se de extrema importância para o indivíduo ser capaz de reinventar suas atividades profissionais. Desse modo, evidencia-se uma desvantagem dos profissionais da área da saúde em relação a outros profissionais, devido à carência de empreendedorismo.

Todavia, segundo Philip Kotler, (grande autor na área de administração, marketing e estratégia) empreendedorismo é basicamente um conjunto de hábitos que pode ser adquirido. Ou seja, qualquer profissional seria capaz de tornar-se um empreendedor. Corroborando para esse fato, está a pesquisa realizada pelo Jornal Estadão. Esta relata que a maior finalidade de exercer novas funções, ou seja, empreendedorismo, é o complemento da renda familiar. Sendo assim, profissionais habilitados em todas as áreas encontram-se envolvidos em novas atividades. Estas que de acordo com a mesma pesquisa, são em sua maior parte voltadas para higiene e saúde.

 

Dicas de como empreender

Outro importante ponto a ser destacado é que para empreender não é necessário abrir uma empresa, mas sim colocar em prática novas ideias. Um exemplo seria o empreendedorismo digital. Este lança mão de ferramentas como as redes sociais para atrair clientes e investidores em seus serviços. Essa ferramenta digital pode ser uma grande aliada para profissionais habituados por muito tempo a serem apenas prestadores de serviço, como é o caso de profissionais do ramo da saúde. Isso porque, os mesmos apresentam grande dificuldade em captar clientes. Como casos de sucesso podemos citar alguns nutricionistas. Estes utilizam a rede social instagram para postar sobre curiosidades e vantagens acerca de uma boa alimentação. Desta forma, atrai a atenção do público e consequentemente aumentando o número de pacientes interessados.

Além disso, é importante ressaltar que não basta idealizar. É necessário colocar em prática. Mas, para isso, na busca por reinventar-se e por inovação é necessário garantir especialização. Ou seja, investir em cursos de marketing, negociação, empreendedorismo e outros é uma dica valiosa para obter sucesso com a implementação da ideia.

Diante de todo o exposto é possível dizer que atualmente as pessoas não encontram-se mais retidas somente a ocupações convencionais de suas formações. Ou seja, basta ser capaz de pensar de modo empreendedor para  perceber que suas carreiras podem ser muito mais amplas.

 

Escrito por:

Thaísa Rocha - Assessora do Administrativo-Financeiro