Poder da fala: como uma boa oratória pode abrir portas

 

  Algumas pesquisas apontam que um dos medos mais comuns atualmente é o medo de falar em público. Para algumas pessoas, esse desconforto pode prejudicar não apenas sua vida profissional, mas também a pessoal. A vergonha e a humilhação que podem vir acompanhados por tal desafio muitas vezes se torna mais doloroso do que a dor física e é o suficiente para nos travar. Ansiedade, nervosismo, palpitações, falta de ar, gagueira, suor excessivo, todos esses são alguns sintomas de um medo que, de tão real, tem até nome: glossofobia.

  Quantas vezes já não deixamos de encarar desafios por simples vergonha de se expor? Quantas oportunidades não foram aproveitadas por medo de uma plateia? Quantos contatos e novos relacionamentos perdemos por medo de passar vergonha? Por esses motivos, ter um bom domínio em oratória é cada vez mais essencial a garantir o sucesso e melhorar de vida. Infelizmente, ainda não foi desenvolvido nenhum método definitivo que possa por fim ao desconforto que muitas pessoas sentem ao falar em público, porém existem algumas dicas que podem facilitar essa experiência para que ela se torne cada vez menos traumática.

 

Dicas de oratória

  Separamos 5 dicas comuns entre os melhores professores de oratória para você conseguir vencer cada vez mais desafios:

 

1) Prepare-se para falar:

  A preparação prévia de um discurso é fundamental. Antes de falar, dedique um tempo para montar seu discurso e tenha confiança no assunto que está tratando. Pergunte-se questões básicas como: Qual é o tema? Quem é o seu público e o quanto eles sabem sobre esse tema? Qual a finalidade desse discurso? Por que essas pessoas vieram até você? Quanto tempo de fala você terá?

  Um erro comum acontece quando nos limitamos ao tempo exato que nos é disponibilizado a falar, acreditando que devemos estar prontos a falar apenas por aqueles minutos contados. Evite isso. Caso lhe seja dado 20 minutos para falar, certifique-se de ter conteúdo para 40 minutos. Também pratique seu discurso diante do espelho ou com amigos. Dessa forma, sua segurança e conforto na hora H será maior.

 

2) Não confie em sua memória, a cola está liberada

  Você pode e deve levar uma pequena cola sobre o que será dito. Quem tem dificuldades em falar em público sabe que nossa memória é a primeira a nos abandonar quando mais precisamos, assim vem o famoso “branco”. Leve um roteiro com o assunto em tópicos para diminuir as chances dele aparecer. Mas cuidado! Evite se prender demais ao roteiro para não ficar decorado demais. Confie em si mesmo.

 

3) Use linguagem correta

  Alguns pequenos escorregões na gramática podem não fazer mal a ninguém, mas fique atento a erros mais grosseiros. Conheça seu público e entenda que tipo de linguagem você pode usar com eles, podendo ser mais casual ou mais formal, porém nunca abra mão de um bom português. Evite erros como “desapercebido”, “fazem tantos anos”, “menas” ou “meia tímida”. Dessa forma, você terá meio caminho andado a conquistar o respeito de seus espectadores.

 

4) Tenha começo, meio e fim.

  Apresente-se, cumprimente sua plateia e faça uma breve introdução do que será dito e qual seu propósito com aquilo. Dedique alguns minutos de seu discurso para inteirar seus espectadores, valerá a pena. Sabendo onde você quer chegar e como você pretende fazer isso, será mais fácil para todos acompanhar seu raciocínio.

 

5) Com bom humor se vai longe.

  Não se prenda tanto a técnicas de comunicação ou regras de como agir. Uma postura confiante sobre o assunto diante do público, mesmo quando tratado por improviso, traz maior empatia do público. Tente relaxar, evite assuntos que possam te aborrecer antes de falar e mantenha o bom humor. Mesmo que algo dê errado, quando tratado com espontaneidade e bom humor, ganhará a simpatia de todos e passará despercebido ao final.

 

Essas são apenas algumas dicas básicas de oratória para que você vença seu medo e supere suas dificuldades, mas não se esqueça do mais importante; conheça-se e se respeite. Ao longo dos anos, conforme nos forçamos a encarar nossos desafios, somos capazes de conhecer melhor nossas particularidades e adaptar técnicas que possam funcionar melhor conosco. Respeite seus limites e seu tempo.

 

Escrito por:

Kassia Paim - Assessora de Gestão de Pessoas